< Voltar

Artigos

Cabos desbitolados, um grave problema

Você sabe qual é a sua responsabilidade no momento de efetuar a compra de fios e cabos elétricos? A escolha de condutores de má qualidade pode comprometer a credibilidade das instalações elétricas e ainda a segurança das pessoas e de seu patrimônio.

Mas como escolher o produto correto?

Como fazer quando você adquire cabos elétricos para baixa tensão e desconhece a qualidade do produto? Como identificá-los? Para facilitar, existem quatro medidas a serem tomadas:

1.     A etiqueta de identificação nos produtos deverá indicar, claramente, a seção do produto, a norma vigente, o selo do INMETRO, o logo da certificadora e, principalmente, o número do registro do produto com validade (este pode ser confirmada no site do INMETRO);

2.     No corpo do cabo deve estar gravado qual a sua seção nominal (medida da área de corte do cabo) ALÉM DE OUTRAS INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS. Porém, essa leitura nem sempre é visível, pois, a marcação no cabo pode estar ilegível;

3.     Outra maneira de identificação é a comparativa. Compare um cabo reconhecidamente de marca boa com o cabo que você está avaliando. O peso do produto também pode ser diferente e a quantidade de fios também pode ajudar na decisão – quanto menos fios, mais problemas;

4.     É possível identificar o cabo através do dimensionamento da quantidade de cobre existente no cabo. Pode-se usar um micrometro e medir os fios elementares e calcular a área da seção transversal para identificar um cabo bom de um desbitolado.

Qual o problema de um cabo desbitolado?

Se o cabo não for de qualidade, ou seja, desbitolado, além de não atender as normas, não terá a quantidade correta de cobre e provocará aquecimento e deterioração do isolamento. Isso pode gerar não só um aumento no consumo de energia elétrica, mas também um curto-circuito e até um incêndio. 

Image title

Infelizmente, no Brasil, existem muitos materiais fora de norma – desbitolados - com menos cobre do que ele deveria, limitando sua capacidade de condução de energia. 

De acordo com o Anuário Estatístico divulgado pela Abracopel, no ano de 2018 foram registrados 537 incêndios por sobrecarga em todo o país. Deste total, as residências unifamiliares foram as que mais registraram acidentes, totalizando 207 eventos e 44 mortes.

A Fiscalização

Os fios e cabos devem ser certificados pelo INMETRO, porém, existem fabricantes que desrespeitam as normas, mesmo tendo o selo do INMETRO e produzem cabos desbitolados com custos menores, pois, utilizam menos cobre que o exigido e muito mais PVC, o que acaba colocando em risco a segurança do consumidor/usuário. 

Mesmo com a fiscalização feita no mercado e as certificações, algumas empresas continuam vendendo seus produtos de má qualidade, colocando em risco a vida de todos que os utilizam.

Hoje, infelizmente, não há garantia de que todos os produtos vendidos no mercado, mesmo com certificação do INMETRO, estejam dentro das normas.

Mais uma ajuda

Para tentar minimizar, e quiçá, acabar com os produtos ilegais do mercado, a Qualifio pretende, nos próximos meses, lançar o Selo Qualifio para seus associados, com o objetivo de atestar, ao público consumidor, a qualidade e a segurança do produto adquirido e garantir sua confiabilidade no mercado. 

Para saber mais sobre o trabalho da Qualifio, os números registrados, o mercado ilegal de fios e cabos elétricos, siga a Qualifio nas redes sociais (@qualifiobr)

Evite RISCOS. Seja RESPONSÁVEL. Compre somente produtos CONFIÁVEIS.